Maria Padilha na Quimbanda
Maria Padilha na Quimbanda

Maria Padilha na Quimbanda

Tarô da Maria Padilha: Instrumento poderoso de interpretação do oculto sob a proteção da falange desta Pombogira. Clique Aqui e Confira!

Maria Padilha é uma falange de pombas giras da Umbanda e da Quimbanda. Entre as diversas sub-falanges estão:

  • Maria Padilha do Cruzeiro das Almas – Linha de Omolu-Obaluaê/Iansã
  • Maria Padilha da Encruzilhada – Linha de Ogum
  • Maria Padilha do Cemitério – Linha de Omolu-Obaluaê
  • Maria Padilha da Kalunga – Linha de Oxum/Iemanjá
  • Maria Padilha das Sete Catatumbas / Sete Tumbas – Linha de Omolu-Obaluaê
  • Maria Padilha da Navalha – Linha de Oxum
  • Maria Padilha das Sete Saias – Linha de Oxum

A Quimbanda é onde atuam os exus e pombas giras (também chamados de “Povo de Rua”), entidades que fazem uso de forças negativas (isso não significa malignas) e, muitas vezes, estão presentes em lugares onde possam ter quiumbas (obsessores/seres malignos), em portas de templos religiosos de qualquer espécie, cemitérios, encruzilhadas, ruas e estradas.

A Quimbanda ou Kimbanda não é simplesmente mais uma das linhas existentes dentro dos cultos afro-brasileiros, suas influências não são somente Bantu, Nagô e Yorubá, também abrange em larga escala vários aspectos da Religião Indígena, Católica, o Espiritismo moderno, a alquimia, o estudo da natureza fundamental da realidade e Correntes Orientais.

A Umbanda não vive sem a Quimbanda, como a árvore não vive sem a copa ou sem a raiz. Então, com base em estudos e prática na Quimbanda, podemos afirmar que o culto como o conhecemos é o mesmo praticado na maior parte dos Terreiros de Umbanda do Brasil que, para obterem equilíbrio em seus trabalhos, cultuam as Sete Linhas da Umbanda e as Sete Linhas da Quimbanda.

Na verdade, pode-se dizer que a Quimbanda, como a conhecemos atualmente, nasceu juntamente com a Umbanda em 15 de novembro de 1908, pois uma Linha completa o outra, formando esta força que nos dá vida e este reino cheio de luz.

A Quimbanda está organizada hierarquicamente em sete grandes reinos, as Sete Linhas da Quimbanda, sendo que, na Quimbanda, também é Oxalá quem manda, o Sr. Omolu é o Rei, coroado por Oxalá, e este delega os poderes aos Exus Chefes de Falange.

Maria Padilha está incluída no Reino da Lira, onde é conhecida como Rainha do Candomblé (ou Rainha das Marias) e é assistente de Omulu.

Maria Padilha é uma entidade do meio, um espírito entre o bem e o mal, nem das trevas nem de luz, um espírito feminino formador de falanges cultuadas na linha de exus tanto da umbanda quanto da quimbanda.

Reconhecida por estas duas religiões como senhora de todos os tempos e caminhos e manifestando-se de forma expressiva.

Na prática, não há quimbanda sem umbanda nem quimbadeiro sem umbandista, pois são duas faces de uma mesma concepção religiosa.

Porém, o culto à Maria Padilha faz parte do lado mais escondido dessas religiões, pois além dela sincretizar-se com as criaturas infernais da religião católica, as motivações básicas que levam ao seu culto pertencem a dimensões do indivíduo muito encobertas pelos padrões de moralidade da sociedade ocidental-cristã.

Mas, mesmo assim, Maria Padilha não deixa de ser uma das mais populares pombas giras, famosa por sua história em várias partes do mundo, não somente em terreiros brasileiros.

Maria Padilha: Rainha De Todas Giras: Livro fará você conhecer melhor as histórias dessa Rainha e suas oferendas para conquistas de amor! Clique Aqui e Conheça!

Compartilhe Esta Página:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *