Maria Padilha da Estrada
Maria Padilha da Estrada

Maria Padilha da Estrada | Quem é ela?

Tarô da Maria Padilha: Instrumento poderoso de interpretação do oculto sob a proteção da falange desta Pombogira. Clique Aqui e Confira!

Maria Padilha da Estrada é uma entidade da Umbanda. Cheia de contos e de amor, ela tem seu próprio ponto e, muitas vezes, é representada em esculturas, vestindo um top e uma saia ou um vestido, na maioria das vezes vermelho e, ás vezes, loira e, ás vezes, morena.

História de Maria Padilha da Estrada

Á seguir, você pode conferir a história de Maria Padilha da Estrada, contada por ela mesma.

Sempre estive à procura de um amor verdadeiro, que preenchesse realmente o vazio no meu coração, pois com a morte de minha mãe, a vida já não fazia mais sentido.

Vivia em um palácio muito próspero, andava sempre bem vestida e com milhares de joias. Passei boa parte de minha vida ao lado de um amor infiel, que ficava comigo só pra me usar e se satisfazer.

O filho do rei, que iria ser o possível sucessor, fazia de tudo para me tirar do sério e ser mandada pra longe dali, mas sempre agia com cautela e serenidade.

Olhava cada passo do rei e do príncipe, cada suspiro e cada palavra. Eu preparava duas sepulturas. Aquela vida me desgastava por dentro e tudo o que eu queria era acabar com a vida dos dois.

Durante muito tempo, envenenava a comida dos dois e, de pouquinho em pouquinho, via os dois definharem. Em uma dessas, fui pega pelo príncipe na copa do palácio e ele, sem pensar duas vezes, foi falar com o pai.

Eu, o mais rápido possível, peguei a lâmina sobre a mesa e cravei no seu peito sem dó nem piedade. Matei! Matei o príncipe.

Na mesma hora gritei. Gritei tão alto que todos escutaram e foram ver. Estava eu, de joelhos no chão, com o pescoço cortado para disfarçar a tragédia que cometi.

O rei se lamentou, perguntou o que tinha acontecido e eu fiz a cena completa, disse que um ladrão entrou no palácio com uma lâmina, cortou meu pescoço e matou o príncipe.

O rei acreditou, enterrou seu próprio filho mesmo nunca encontrando o ladrão. A verdade sempre aparece e em uma dessas ela apareceu.

Descobriram quem tinha tirado a vida do príncipe. Eu estava dormindo e me acordaram aos sustos. Era meu fim, me levaram pra bem longe, era um lugar sujo e fedorento.

Me acorrentaram, me prenderam feito cachorro. Sem água. Sem comida. Sem vida. Sem nada. Minha fé se mantia a cada minuto naquela lama, mas a sede e a fome me consumia.

Eu não matei por matar. Matei porquê o amava. Matei porquê ele me traia. Matei porquê ele era a única pessoa que sentia algo.

Eu matei. Matei o sucessor. Matei o meu amor. Fui acorrentada, abusada, ofendida e morta. Pra quem não me conhece, permite me apresentar.

Me chamo Maria Padilha da Estrada. Aqui e em qualquer outro lugar.

Oração à Maria Padilha da Estrada para Trazer Homem de Volta

Á seguir, está uma oração à Maria Padilha da Estrada para trazer homem de volta. Essa oração, direcionada à Maria Padilha da Estrada, é para que essa pomba gira traga seu homem para você.

Ela o fará pensar em você e perder a paz enquanto não te procurar. Ele irá atrás de você, porque ficará encucado com sua demora em procurá-lo.

No entanto, ao fazer essa oração, você deverá divulgar o nome de Maria Padilha da Estrada como forma de retribuição e gratidão.

Minha poderosa, linda e jovem Maria Padilha da Estrada, gira tua saia poderosa e traga (nome do amado) para mim. Vá, minha poderosa Pomba Gira, vá agora ao encontro de (nome do amado) e sopre meu nome (seu nome) em seu ouvido.

Vá, minha Pomba Gira da falange de Oxum, rainha do ouro, da beleza e da sedução, traz esse homem pra mim, prometo divulgar diariamente seu nome e seus poderes.

Faz com que nesse exato momento ele pense em mim, e não tenha sossego enquanto não me telefonar, enquanto não olhar nos meus olhos, enquanto não sentir novamente o gosto de minha boca, do meu beijo.

(Nome do amado) não terá paz, não conseguirá se concentrar no trabalho, traz minha Maria Padilha da Estrada esse homem pra mim, me dê essa alegria.

Faz com que (nome do amado) tenha agora um amor incontrolável por mim, que me deseje, que (nome do amado) não sossegue enquanto não me ver.

Que ele sinta meu desprezo por ele e venha atrás de mim. Faça, minha Maria Padilha da Estrada, que eu tenha forças para não procurá-lo até que ele me procure.

Que ele fique encucado com minha demora em procurá-lo. Traz, pomba gira, (nome do amado) para mim, espalhe exu, espalhe pomba gira, gira tua saia e vai de encontro ao meu homem, e traga ele pra mim.

Que assim seja feito, assim está sendo feito. Sei que serei atendida hoje, divulgarei teu nome como oferenda a esse pedido.

Espalhe axé, espalhe Maria Padilha da Estrada, poderosa e formosa. Amém!

Quem é Maria Padilha da Estrada?

Maria Padilha da Estrada é uma pomba gira que trabalha na estrada. Ela é brincalhona e suas consultas são sempre recheadas de boas gargalhadas.

Porém é bom lembrar que, como em qualquer consulta com um guia incorporado, o respeito deve ser mantido e, sendo assim, estas brincadeiras devem partir SEMPRE do guia, e nunca do consulente.

Maria Padilha da Estrada é a guia que mais dá consultas em uma gira de exu, se movimenta muito e também fala bastante, chegando a dar consulta a várias pessoas ao mesmo tempo.

Gosta de champanhe, licor de anis, martini e mel, contudo, por trabalhar muito próxima da malandragem, pode preferir cerveja ou cachaça.

Seus ebôs (Candomblé) são pata preta, pomba preta, cabra preta, fubá de milho e azeite de dendê. Fuma cigarros [alguns médiuns explicam que ela gosta do Hollywood vermelho] e cigarrilhas.

Suas oferendas nunca devem ser feitas nas encruzilhadas, apenas nas estradas. Gosta de joias, perfumes, cosméticos e espelhos; rosas vermelhas (nunca botões) em número ímpar, cravos e palmas vermelhas.

Seus símbolos são o tridente, o pássaro, a Lua, o Sol, a chave e o coração. As cores de suas velas serão de acordo com o trabalho a ser realizado, podendo ser pretas e vermelhas, todas vermelhas e, em certos casos, pretas e brancas ou, ainda, todas brancas.

Algumas (pois se trata de uma falange de vários espíritos) se apresentam como ciganas, outras gostam de usar um chapéu igual ao que os malandros usam.

Moça bonita e formosa que, quando “chega” no terreiro, gosta de beber, fumar e, principalmente, conversar com quem a agrada.

Odeia injustiça. Domina os caminhos, as estradas por quais todos passam. Mulher de respeito, forte e determinada. Adora trabalhar para o amor.

Em alguns sites, há a informação que, não sabe-se se é regra, esta senhora trabalha junto da lebara Padilhinha do Inferno.

Quando estão em terra, bebem, conversam e resolvem os problemas juntas. Mesmo depois de terem desencarnado, mantiveram a amizade.

Pontos Cantados de Maria Padilha da Estrada

O vídeo abaixo foi criado pelo centro espírita Guerreiros de Ogum, em homenagem à essa grande mulher, Maria Padilha da Estrada.

O vídeo abaixo é do canal Guerreira da Tempestade com mais um ponto cantado de Maria Padilha da Estrada.

Maria Padilha: Segredos da Pombagira Menina: Livro traz ao conhecimento do leitor o espetacular trabalho da pombagira chefe da organização Maria Padilha. Clique Aqui e Conheça!

Compartilhe Esta Página:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *